sábado, 25 de setembro de 2010

TPV = Tensão pré-vestibular

A pessoa com tensão pré-vestibular (TPV) pode apresentar sintomas como nervosismo, medo, tensão muscular, tremores, dores de cabeça, náuseas, ansiedade, insônia, alterações no humor, na respiração e no apetite, entre outros, e é de se esperar que uma pessoa nessa situação tenha dificuldade para se concentrar e raciocinar no momento de uma prova.

Não existe uma receita pronta para combater a TPV, mas para aliviar o estresse que aparece no período do vestibular é importante que você cuide de 3 aspectos: o intelectual, o físico e o psicológico.

Para estar com o aspecto intelectual fortalecido é importante que você tenha estudado desde o início do ensino médio com afinco e dedicação e que tenha reservado boa parte do seu tempo para reforçar os conteúdos vistos em sala de aula.

Para evitar o estresse psicológico é fundamental que você tenha pensamentos positivos e que mantenha a calma. Para isso procure ter alguns minutos de sossego todos os dias, reserve um tempo para relaxar e, um dia antes, vá até o local da prova para conhecer o percurso e o tempo gasto até lá.

E para evitar o estresse físico, procure respirar lentamente, prestando atenção ao seu corpo e relaxando as partes onde a tensão costuma se instalar, como nuca e ombros. Faça isso antes de dormir, para garantir um sono tranquilo e reparador.

Os alimentos podem ser inimigos ou aliados, por isso evite os alimentos gordurosos, comidas de difícil digestão, café e bebidas com cafeína, refrigerantes que são estimulantes, açúcar branco refinado e excesso de sal. Os alimentos “amigos” são: banana, passas, amêndoas, brócolis, espinafre, leite morno com mel. São alimentos anti-stress, porque têm vitaminas e proteínas essenciais ao sistema nervoso e dão às células nervosas os nutrientes necessários para estar em plena forma.

Para aqueles que têm dificuldade acentuada em lidar com a TPV, uma possibilidade é buscar ajuda de profissionais especializados que utilizem técnicas como psicoterapia, acupuntura, RPG, pilates, relaxamento, energização, entre outras que auxiliam no controle das emoções.

O importante é você estar em condições de atingir seus objetivos com sucesso!

*Gilvanise Gulicz Vial, Psicóloga e Orientadora Profissional, coordenadora do site www.portalvocacional.com.br e colunista do portal www.vestibulandocuritiba.com.br

quarta-feira, 21 de julho de 2010

É primavera no meu quintal!






















Esse post é especialmente para quem é fã de flores e gosta de admirar belas imagens!









Depois de longos dias de frio, em pleno inverno de Curitiba, as flores no meu quintal estão mais lindas do que nunca! A responsavel por esse jardim maravilhoso, é minha mamãe Maria! É muito bom entrar em casa e se deparar com belezas tão singulares e singelas!! Em homenagem a minha mamãe que dedica seu tempo aos cuidados dessas maravilhas, resolvi compartilhar com vocês essas imagens!

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Religião entra em campo na Copa do Mundo 2010


A religião é uma parte importante na vida de muitos jogadores presentes nesta Copa do Mundo, como o brasileiro Kaká, o técnico argentino Diego Maradona e o francês Franck Ribéry, que se converteu ao Islã.

Tais jogadores, assim como qualquer outro nesta situação, devem ser cuidadosos durante todo o Mundial, já que a Fifa proíbe a atletas de qualquer país, liga e competição profissional de fazer gestos religiosos.

Joseph Blatter, presidente da autoridade máxima do futebol mundial, foi taxativo no começo deste ano e se comprometeu a punir qualquer um que fizesse alguma referência à religião em campo.

A gota d'água foi quando a seleção brasileira conquistou a Copa das Confederações, em 2009.

Durante a celebração do título, os jogadores se reuniram no meio do campo e fizeram uma oração e alguns até mostraram mensagens de agradecimento a Deus.

"O gesto dos brasileiros é inaceitável", afirmou o presidente da Federação Dinamarquesa de Futebol (DBU, em dinamarquês), Jim Stjerne Hansen, o primeiro a criticar tal atitude dos brasileiros.

"A expressão de fervor religioso dos brasileiros durou muito, o que cria uma confusão entre religião e esporte", escreveu na ocasião em uma carta à Fifa.
.
"As seitas podem utilizar o futebol como publicidade", comentou depois a Fifa.

Entre os jogadores de futebol mais religiosos está o brasileiro Kaká. A esposa do jogador do Real Madrid, Caroline Celico, foi notícia por um vídeo no YouTube em que faz um depoimento: "Deus deu ao Real (Madrid) o dinheiro necessário para nos chamar e assim podermos abrir uma igreja evangélica em Madri".

Quando recebeu a Bola de Ouro em 2007, um dos momentos mais importantes na carreira dele, Kaká também deu mostras de fé.

"Dedico a Deus, porque Ele é que me deu este dom e me permitiu ser feliz com o futebol. Sem Ele não teria conseguido", afirmou.

Nesta terça-feira, o jogador aproveitou uma coletiva para abordar um atrito com o jornalista Juca Kfouri: "Da mesma forma que o respeito como ateu, peço que ele me respeite como alguém que professa a fé através de Jesus Cristo".

Outros brasileiros muito religiosos são Lúcio e Felipe Melo - este último já manifestou o desejo de ter um cargo na igreja que frequenta no Brasil.

Em uma entrevista concedida ao jornal italiano "La Stampa", Melo não hesitou em mostrar sua fé e manifestar o desejo de servir a Deus. Também disse que o segundo sonho é "ser campeão da Itália e do Mundo".

"Estou estudando com o objetivo de ser diácono em minha igreja no Brasil, mas antes tenho que mudar em várias coisas, tenho que demonstrar a cada dia. Por isso estou estudando a Bíblia com um pastor brasileiro missionário. Sempre tive fé, mas fazia coisas erradas", afirmou.

O francês Franck Ribéry, que se converteu ao islamismo ao se casar com uma mulher de origem marroquina e adotar o nome Bilal, levanta os braços em direção a Alá no início de cada partida.

O atacante sul-coreano do Mônaco, Joo Young Park, reza cada vez que marca um gol.

Uma pessoa muito religiosa também é o técnico argentino Diego Maradona, que se lembrou de Deus em várias ocasiões e tem nas partidas sempre alguma imagem religiosa na mão.

Em 29 de setembro, quando a Albiceleste estava na luta para se classificar ao Mundial, Maradona se entregou às mãos de Deus.

"Ele me salvou muitas vezes; espero que esta vez também", afirmou Maradona, quando a Argentina estava no quinto lugar no classificatório e ainda não tinha a vaga no Mundial confirmada.

A religiosidade também está na Federação Espanhola de Futebol (FEF), como mostrou um viagem no começo do ano à Catedral de Santiago de Compostela. A expedição era liderada pelo presidente Angel Villar e o técnico Vicente del Bosque, e tinha como objetivo oferecer o troféu da Eurocopa-2008 ao apóstolo da cidade.


Fonte: http://praiserecords.com.br/

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Pai, tô com fome!!!



Ricardinho não agüentou o cheiro bom do pão e falou:

- Pai, tô com fome!!!

O pai, Agenor , sem ter um tostão no bolso, caminhando desde muito cedo em busca de um trabalho, olha com os olhos marejados para o filho e pede mais um pouco de paciência....

- Mas pai, desde ontem não comemos nada, eu tô com muita fome, pai!!!

Envergonhado, triste e humilhado em seu coração de pai, Agenor pede para o filho aguardar na calçada enquanto entra na padaria a sua frente...

Ao entrar dirige-se a um homem no balcão:

- Meu senhor, estou com meu filho de apenas 6 anos na porta, com muita fome, não tenho nenhum tostão, pois sai cedo para buscar um emprego e nada encontrei, eu lhe peço que em nome de Jesus me forneça um pão para que eu possa matar a fome desse menino, em troca posso varrer o chão de seu estabelecimento, lavar os pratos e copos, ou outro serviço que o senhor precisar!!!


Amaro , o dono da padaria estranha aquele homem de semblante calmo e sofrido, pedir comida em troca de trabalho e pede para que ele chame o filho...

Agenor pega o filho pela mão e apresenta-o a Amaro, que imediatamente pede que os dois sentem-se junto ao balcão, onde manda servir dois pratos de comida do famoso PF (Prato Feito) - arroz, feijão, bife e ovo...

Para Ricardinho era um sonho, comer após tantas horas na rua...

Para Agenor , uma dor a mais, já que comer aquela comida maravilhosa fazia-o lembrar-se da esposa e mais dois filhos que ficaram em casa apenas com um punhado de fubá....

Grossas lágrimas desciam dos seus olhos já na primeira garfada...

A satisfação de ver seu filho devorando aquele prato simples como se fosse um manjar dos deuses, e lembrança de sua pequena família em casa, foi demais para seu coração tão cansado de mais de 2 anos de desemprego, humilhações e necessidades...

Amaro se aproxima de Agenor e percebendo a sua emoção, brinca para relaxar:

- Ô Maria!!! Sua comida deve estar muito ruim... Olha o meu amigo está até chorando de tristeza desse bife, será que é sola de sapato?!?!

Imediatamente, Agenor sorri e diz que nunca comeu comida tão apetitosa, e que agradecia a Deus por ter esse prazer...

Amaro pede então que ele sossegue seu coração, que almoçasse em paz e depois conversariam sobre trabalho...

Mais confiante, Agenor enxuga as lágrimas e começa a almoçar, já que sua fome já estava nas costas...

Após o almoço, Amaro convida Agenor para uma conversa nos fundos da padaria, onde havia um pequeno escritório...

Agenor conta então que há mais de 2 anos havia perdido o emprego e desde então, sem uma especialidade profissional, sem estudos, ele estava vivendo de
pequenos 'biscates aqui e acolá', mas que há 2 meses não recebia nada...

Amaro resolve então contratar Agenor para serviços gerais na padaria, e penalizado, faz para o homem uma cesta básica com alimentos para pelo menos 15 dias...

Agenor com lágrimas nos olhos agradece a confiança daquele homem e marca para o dia seguinte seu início no trabalho...

Ao chegar em casa com toda aquela 'fartura', Agenor é um novo homem sentia esperanças, sentia que sua vida iria tomar novo impulso...

Deus estava lhe abrindo mais do que uma porta, era toda uma esperança de dias melhores...

No dia seguinte, às 5 da manhã, Agenor estava na porta da padaria ansioso para iniciar seu novo trabalho...

Amaro chega logo em seguida e sorri para aquele homem que nem ele sabia porque estava ajudando...

Tinham a mesma idade, 32 anos, e histórias diferentes, mas algo dentro dele chamava-o para ajudar aquela pessoa...

E, ele não se enganou - durante um ano, Agenor foi o mais dedicado trabalhador daquele estabelecimento, sempre honesto e extremamente zeloso com seus deveres...

Um dia, Amaro chama Agenor para uma conversa e fala da escola que abriu vagas para a alfabetização de adultos um quarteirão acima da padaria, e que ele fazia questão que Agenor fosse estudar...

Agenor nunca esqueceu seu primeiro dia de aula: a mão trêmula nas primeiras letras e a emoção da primeira carta...

Doze anos se passam desde aquele primeiro dia de aula...

Vamos encontrar o Dr. Agenor Baptista de Medeiros , advogado, abrindo seu escritório para seu cliente, e depois outro, e depois mais outro...

Ao meio dia ele desce para um café na padaria do amigo Amaro, que fica impressionado em ver o 'antigo funcionário' tão elegante em seu primeiro terno...

Mais dez anos se passam, e agora o Dr. Agenor Baptista, já com uma clientela que mistura os mais necessitados que não podem pagar, e os mais abastados que o pagam muito bem, resolve criar uma Instituição que oferece aos desvalidos da sorte, que andam pelas ruas, pessoas desempregadas e carentes de todos os tipos, um prato de comida diariamente na hora do almoço...


Mais de 200 refeições são servidas diariamente naquele lugar que é administrado pelo seu filho , o agora nutricionista Ricardo Baptista...

Tudo mudou, tudo passou, mas a amizade daqueles dois homens, Amaro e Agenor impressionava a todos que conheciam um pouco da história de cada um...

Contam que aos 82 anos os dois faleceram no mesmo dia, quase que a mesma hora, morrendo placidamente com um sorriso de dever cumprido...

Ricardinho , o filho mandou gravar na frente da 'Casa do Caminho', que seu pai fundou com tanto carinho:

'Um dia eu tive fome, e você me alimentou. Um dia eu estava sem esperanças e você me deu um caminho. Um dia acordei sozinho, e você me deu Deus, e isso não tem preço.. Que Deus habite em seu coração e alimente sua alma.. E, que te sobre o pão da misericórdia para estender a quem precisar!!!'

(História verídica)

Fonte: desconhecida

sábado, 19 de junho de 2010

quinta-feira, 17 de junho de 2010

quarta-feira, 26 de maio de 2010

sábado, 24 de abril de 2010

Em respeito e defesa da vida animal





O Projeto de Lei n. 215/2007, que institui o Código Federal de Bem-Estar Animal, de autoria do Deputado Federal Ricardo Tripoli (PSDB-SP), é um forte instrumento legal de defesa animal. Acompanha as exigências da União Européia, vedando práticas e regulamentando atividades na área de produção animal, experimentação e controle populacional de animais em meio urbano. Aprovar um projeto deste porte no Congresso Nacional é bastante complexo, pois a maioria dos parlamentares não se importa com a vida animal. Por isso, precisamos demonstrar a força das pessoas que amam e defendem os animais com este abaixo-assinado, pedindo urgência na aprovação do Código de Bem-Estar Animal.

Para participar do abaixo assinado entre no link:

http://www.leideprotecaoanimal.com.br/?page_id=24

terça-feira, 30 de março de 2010

ILUSÕES DO AMANHÃ




'Por que eu vivo procurando um motivo de viver,

Se a vida às vezes parece de mim esquecer?

Procuro em todas, mas todas não são você.

Eu quero apenas viver, se não for para mim, que seja pra você..

Mas às vezes você parece me ignorar,
Sem nem ao menos me olhar,
Me machucando pra valer.

Atrás dos meus sonhos eu vou correr.
Eu vou me achar, pra mais tarde em você me perder..

Se a vida dá presente pra cada um, o meu, cadê?

Será que esse mundo tem jeito?
Esse mundo cheio de preconceito.

Quando estou só, preso na minha solidão,
Juntando pedaços de mim que caíam ao chão,
Juro que às vezes nem ao menos sei, quem sou.

Talvez eu seja um tolo, que acredita num sonho.

Na procura de te esquecer, eu fiz brotar a flor.

Para carregar junto ao peito,
E crer que esse mundo ainda tem jeito.

E como príncipe sonhador...
Sou um tolo que acredita, ainda, no amor. '


PRÍNCIPE POETA (Alexandre Lemos - APAE) Este poema foi escrito por um aluno da APAE, chamado, pela sociedade, de excepcional.
Excepcional é a sua sensibilidade!




Ele tem 28 anos, com idade mental de 15 e peço que divulguem para prestigiá-lo. Se uma pessoa assim acredita tanto, porque as que se dizem normais não acreditam









quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

O PRIMEIRO EMPREGO


Por: Carollaine Graciotto


Assumir um papel profissional para garantir sustento econômico, não é a única razão que leva o jovem adulto a assumir esse papel. Ter satisfação e trabalhar com algo que lhe proporciona prazer e felicidade, também é um ingrediente que faz homens e mulheres buscarem ingressar na carreira profissional.
A experiência profissional entre jovens adultos se dá por uma série de estágios, ou seja, uma visão seqüencial profissional. Primeiramente ocorre a tentativa, ou o estágio de estabelecimento, que ocorre comumente entre 20 e 30 anos de idade, sendo assim, o início da vida adulta.
Nesse período o jovem adulto está iniciando em uma carreira profissional, e, está decidindo que trabalho gostaria de exercer dentre tantas opções que lhe é ofertada. Nesse estágio mais inicial em que o jovem está se inserindo no mercado de trabalho ou em que ele já esteja trabalhando, é imprescindível passar pelas etapas iniciais, conhecer o assunto e na medida em que dominar as habilidades necessárias, subir na escala profissional.
No estágio de estabilização, que se dá por volta dos 30 aos 45 anos, quando já se tem escolhido uma ocupação e aprendido seus segredos, o adulto profissional foca alcançar suas expirações e metas estabelecidas para si. Durante esse período é que ocorrem as promoções e é alcançado o máximo na profissão.

INICIANDO UMA ESCOLHA

Passamos cerca de 30 anos trabalhando. Por essa razão é que a escolha de uma carreira é crucial na vida daqueles que estão iniciando essa jornada. É imensa a quantidade de fatores que influenciam o jovem na escolha do trabalho que irá desempenhar. Analisando rapidamente alguns desses fatores, temos a influencia da família, educação e inteligência, sexo e, personalidade.
A família tende a influenciar o jovem na escolha de sua carreira, de modo que esse venha a escolher profissões que se situam no mesmo nível da classe social se seus pais. Sendo assim, pais que valorizam conquistas acadêmicas, geralmente têm seus filhos freqüentando uma faculdade e optando em ser profissional liberal. Em famílias de operários, valoriza-se às conquistas de seus filhos ocupando um emprego de classe média.
Educação e inteligência, também fazem parte dos fatores que influenciam na escolha de um trabalho especifico, além de acarretar em seu sucesso ao longo do acontecimento da mesma. A inteligência tem efeitos diretos na escolha profissional e seu sucesso. Assim como estudantes mais brilhantes tem maior probabilidade de serem profissionais liberais ou técnicos, e profissionais com alto nível de inteligência são mais propensos a progredir, mesmo que comecem por um baixo cargo.
A escolha de uma determinada carreira, ainda é influenciada pelo sexo. Existem os chamados “trabalho para homem” e o “trabalho pra mulher” desempenhado conforme a definição de seus papeis. Os homens têm mais status, maiores salários e cargos mais elevados, normalmente desempenham trabalhos de níveis técnicos ou profissionais liberais. As mulheres se concentram na ocupação de cargos de prestação de serviços, com status mais baixo e salário mais reduzido (Betz & Fitzgerald, 1987. in Helen Bee, 1997, p.429). Esses valores culturais são passados para as crianças desde cedo, não causando surpresa na opção desses jovens ao escolherem cargos que se adaptam na denominação desses papeis sexuais.
Uma das influencias importantes na escolha da ocupação é a personalidade. Quando nossa escolha profissional combina com a nossa personalidade, a probabilidade de se obter sucesso é muito grande. Pessoas cuja personalidade combina com seu trabalho demonstram mais satisfação profissional (Assouline & Meir, 1987, in Helen bee, 1997, p.429). É possível obter sucesso profissional mesmo quando sua escolha pouco combine com sua personalidade, porém, a chance de satisfação é bem reduzida, ou seja menos feliz a longo prazo.

TRABALHO E SATISFAÇÃO

No inicio da vida adulta, conforme demonstram alguns estudos, o nível de satisfação profissional é muito baixo, mas aumenta ininterruptamente com o passar dos anos até chegar à aposentadoria (Glenn & Wearver, 1985, in Helen Bee, 1997, p. 430).
O domínio do trabalho, é uma das causas de satisfação dos trabalhadores mais velhos, pois tem mais segurança no emprego, com mais autoridade e salários melhores. Outra explicação para o aumento de satisfação na meia idade, seria, o de que a pessoa já permeou por vários trabalhos que foram descartados, e, agora exercem uma ocupação que combine com eles (White & Spector, 1987, in Helen Bee, 1997, p.431).
Helen Bee também destaca a importância de ter um mentor na vida profissional. A autora também destaca a importância de se ter uma formação acadêmica como grande diferença, mesmo quando a capacidade intelectual do trabalhador seja controlada, esse tende a progredir mais e mais rapidamente. Segundo Helen, as promoções ocorrem mais cedo associadas a uma maior progressão ao longo do trajeto.

TRABALHO FEMININO

Mulheres que têm uma profissão fora de casa, geralmente mostram-se mais satisfeitas com suas vidas e fisicamente mais saudáveis. Essa satisfação da mulher em relação ao seu trabalho, aumenta com a idade e com o domínio do mesmo.
A jovem que tem maior grau de instrução, maior sua probabilidade de trabalhar. No entanto, na maioria das vezes, a mulher no inicio da vida adulta não mantém um trabalho continuo, devido o seu papel como esposa e mãe. Essas, também apresentam conflitos por causa da representação do seu papel, na maioria das vezes muito mais árduos do que do homem, acarretando assim, uma carga horária de trabalho (profissional/doméstico), e não fazendo separação de suas funções mãe/esposa/profissional.

Enfim, a preparação pela busca da escolha de uma carreira profissional bem sucedida, começa na adolescência com o vestibular e continua no início da vida adulta, se prolongando, quem sabe, até a aposentadoria. Buscar a satisfação profissional é um objetivo que almejamos por toda nossa vida de trabalho.

REFENCIA BIBLIOGRÁFICA

BEE, Hellen. O ciclo vital. Trad.Regina Garcez. – Porto Alegre; Artmed, 1997. cap14. p.427-437.